Meetup ! Awesome!

Meetup brings people together in thousands of cities to do more of what they want to do in life. It is organized around one simple idea: when we get together and do the things that matter to us, we’re at our best. And that’s what Meetup does. It brings people together to do, explore, teach and learn the things that help them come alive.

For example, people run marathons, thanks to running Meetups. They write, thanks to writing Meetups. They change their careers, thanks to career Meetups. Because at Meetups, people welcome each other. They talk, help, mentor, and support each other – all in pursuit of moving their lives forward.

My first meetup will be “Computer Science Noobs” on 27th April 2017. After, I will write my experience! Now I need to read the 5th chapter of ‘Imposter’s Handbook’ by Rob Conery, in order to make the most of the discussion.

See you later! Bye!

London ! UK ! My new home!

I arrived in London on 18th March 2017. Sorry if you have been found some errors in this text but my goal is to share some experiences and I am going to use the posts to practice my English 🙂

During the first month I have booked the appointment for national insurance number(NIN) from my wife and me. I have applied the learning drive license to my wife, we have done our National Health Service(NHS) and we have created our banks account. All tasks was sucesfully concluded! 😀

Surprise! My wife is already got a job!

I see you soon.. bye!

Como é fácil aprender a programar com SoloLearn.com

Encontrei uma plataforma gratuita para estudar novas linguagens de programação! Achei muito divertido! O site é http://www.sololearn.com ! Lá tem inúmeros cursos para diversas linguagens de programação, e você ainda pode instalar o aplicativo no seu celular e nas horas disponíveis realizar algumas lições 🙂 Boa programação!

sololearn

Desafio “Onde está o mármore ?” URI[1025]

Olá amigos! Na disciplina de PAA(Pesquisa e Análise de Algoritmos) do Mestrado,  a prof. dra. Roseane de Freitas nos passou alguns desafios do URI, e o primeiro deles que estou postando aqui é “Onde está o mármore”. O enunciado do desafio você pode estar conferindo clicando aqui.

Seguindo então o que nos é apresentado pelo desafio, precisamos receber N(número) e Q(Quantidade de Consultas) e após isso imprimir  algo como:

4 1
CASE# 1:
2
3
5
1
5
5 found at 4

Mas aí vem a dúvida, como que o resultado diz que o número 5 foi encontrado na posição 4 ? 🙂 E então ? Já sabe a charada ? Vamos reler o nome do desafio, “onde está o mármore ?”, a questão é que após os números serem inseridos para podemos trabalhar com eles, precisamos realizar a ordenação de modo que os números fiquem em ordem crescente, ou seja, a ordem no exemplo acima ficaria:

Números ordenados de forma crescente: 1 2 3 5, portando o 5 ele foi encontrado em nosso vetor ou conjunto e na posição 4. Então aqui foi a primeira dica. Para concluir, precisamos realizar uma busca pelo número informado e se tratando de busca iremos utilizar a “busca binária” pois conseguiremos uma melhor performance em relação a velocidade.

Marbles was hacked ! 🙂 O código fonte você pode conferir no meu github clinkando AQUI!

Até o próximo post!

Grafos

Pessoal este post será bem curto mas acredito que a informação é bem valiosa. Estou cursando a Disciplina de Inteligência Artificial e o trabalho que o nosso professor nós pediu é a implementação do algoritmo a*(a star). Primeiro que encontrei um livro excelente que se chama “Objetos, Abstração, Estruturas de Dados e Projetos Usando C++, Elliot B. Koffman e Paul A. T. Wolfgang”, e no capítulo 12 Grafos, “Uma das limitações das árvores é que elas não podem representar estruturas de informação em que um item de dados possui mais de um pai. Neste capítulo, apresentaremos uma estrutura de dados conhecida como um grafo, que nos permitirá superar essa limitação”.

Achei interessante em compartilhar esta interpretação.

Como aprimorar a inteligência emocional

Você tem ideia de como está sua maturidade emocional? Os parâmetros do mercado de trabalho estão mudando. Já não importa tanto o nível de inteligência, nem a formação ou grau de especialização, mas sim a maneira como uma pessoa lida consigo mesma e com os outros. Este é o novo critério de avaliação em boa parte das corporações.
Uma pesquisa feita por Travis Bradberry, com mais de 500 mil pessoas, concluiu, após 10 anos de estudo, que apenas 36% dessas pessoas conseguem identificar suas próprias emoções. A pesquisa demonstra que essa competência, além de rara, é muito valiosa. O chamado “QE”, ou quoeficiente emocional, está ligado a 58% do sucesso profissional em qualquer carreira.
A vantagem é que esta habilidade pode ser treinada, bem como as capacidades cognitivas, potencializadas com a ginástica cerebral. Para os especialistas da área, existem quatro eixos que podem ser aprimorados. São eles: autopercepção, percepção social, autogestão e gestão de relacionamentos.
Dessa forma, listamos algumas dicas para desenvolver tais competências:
Autopercepção: tenha uma percepção sincera dos pontos fortes e das limitações pessoais. Procure uma visão clara de aspectos em que precisa melhorar e a capacidade de aprender com a experiência, isso ajuda a conhecer melhor o próprio modo de ser.
Percepção pessoal: reconheça como as emoções afetam o desempenho e a capacidade de usar os próprios valores para guiar nas tomadas de decisão.
Autogestão: em alguns casos, “deixe para depois”. Adiar uma decisão para o dia seguinte, após uma noite de sono bem dormida, pode arejar as ideias e garantir um comportamento mais tranquilo. Respire e conte até dez. atrasar sua reação emocional pode evitar desgastes desnecessários causados por uma “explosão”.
Gestão de relacionamentos: seja curioso a respeito dos outros. Se você demonstra interesse em conhecer uma pessoa, cresce exponencialmente a sua capacidade de influenciá-la no ambiente de trabalho. Explique suas decisões, não apenas tome-as. Comunicar frequentemente os motivos das suas atitudes contribui para que os outros compreendam você e se tornem seus aliados.
Além de desenvolver sua inteligência emocional, estes “pequenos passos” podem transformar o convívio com os colegas de trabalho e melhorar o desempenho nas atividades.

Fonte: http://metodosupera.com.br/artigos-sobre-o-cerebro/como-aprimorar-a-inteligencia-emocional/?utm_campaign=supera_news_161_-_disparo&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

Trabalhando para ser faixa preta de matemática pelo Kumon !

Olá pessoal ! Acredito que a grande maioria das crianças não gostam de estudar! Pois bem, comigo não foi diferente :-), matérias como português e matemática, não eram matérias com que eu me importava e portanto quando chegou a hora certa de realmente utiliza-las, bateu o pesamento: “Como eu deveria ter dado importância a estas matérias”. Venho estudando com o objetivo de melhor alguns conhecimentos pessoais, por eu ser graduado em Sistema de Informação e claro pra servir de exemplo pra minha filha Alice :), a matemática é uma ferramenta indispensável, portando resolvi revisa-la por completo. Já ouvia falar no método de ensino Kumon, sabia também que a sua origem é Japonesa, sabia também que muitas pessoas o indicavam mas não sabia como de fato era a sua metodologia. Fiz a prova de nivelamento e com muita humildade recebi o resultado. Pois é, o resultado né ? Então o resultado foi que todas as provas que eu realizei haviam um tempo limite e que apesar de eu ter respondido com a pontuação positiva, o tempo estava ruim. O que vou compartilhar agora não é desculpa em 😛 … como relatei acima, meu objetivo é revisar toda a matemática e então expliquei que eu havia brigado com tabuada de soma e de subtração. No ensino médio, o professor apenas “pegou no pé” na tabuada de multiplicação, ou seja, culpa do professor “Charlisson” >). Pessoal, eu iniciei o Kumon em Janeiro/2016, para ser mais exato, no dia 21/01 e hoje, dia em que estou postando mais este post no meu site, já estou no nível E. Acho que deu pra entender que eu inicie do marco zero, pra ficar melhor vamos a lista dos níveis iniciais;

  • Nivel-A – objetivo é a utilização da operação de soma.
  • Nivel-B – objetivo é a utilização da operação de subtração.
  • Nivel-C – objetivo é a utilização da operação de multiplicação(este eu já era fera em! rs rs).
  • Nivel-D – objetivo é a utilização da operação de multiplicação(este eu já era fera também em! rs rs).

E hoje(27/02/2016), após realizar mais uma prova de avaliação, entrei para o nível E. O objetivo deste nível é adicionar, subtrair, multiplicar e dividir frações; transformar frações em números decimais e vice-versa; adicionar, subtrair, multiplicar e dividir frações e números decimais. Agora é colocar a mão na massa, ou melhor, pegar os blocos de exercício e mandar brasa. Os resultados das avaliações dos níveis que já realizei estão referenciadas na lista acima, é só clickar no link para visualizar. Se você tiver alguma dúvida quanto ao Kumon só perguntar! Eu não trabalho no Kumon, sou apenas um admirador e aluno do método! Depois tenho até que ver a minha comissão pela propaganda, não acham ? 😀 Valeu, até a próxima!

PROFESSOR REPROVA A TURMA INTEIRA

Um professor de economia em uma universidade americana disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira.

Essa classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: com um governo assistencialista. Intermediando a riqueza
ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.

O professor então disse, “Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.”

Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que em teoria, ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “A”.

Após calculada a média da primeira prova todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos, esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como resultado, a segunda média das provas foi “D”. Ninguém gostou.

Depois da terceira prova, a média geral foi um “F”. As notas não voltaram a patamares mais altos mas, as desavenças entre os alunos, a busca por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe.

A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina.

O professor explicou: “O experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande”. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor.

Tão simples quanto o exemplo de Cuba, Coréia do Norte, Venezuela. E o Brasil e a Argentina, que estão chegando lá…”

1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;
2. Para cada um recebendo sem ter que trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;
3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;
4. Ao contrário do conhecimento, é impossível multiplicar a riqueza tentando dividi-la;
5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, chegamos ao começo do fim de uma nação.

É o mais puro retrato do Brasil que vivemos.